TURMA VII DE SÃO PAULO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA SISTÊMICA NO BRASIL E NO EXTERIOR – NÍVEL BÁSICO

O Brasil, é o primeiro país no mundo, a reconhecer a importância da Visão Sistêmica e das Constelações Familiares voltadas aos animais e para Medicina Veterinária. Muitas palestras sobre o tema, já foram incentivadas por alguns Conselhos Regionais de Medicina Veterinária e diversas Instituições de Ensino públicas e particulares de ensino. Estamos dando os primeiros passos nos estudos e na pesquisa deste vasto campo do desenvolvimento e no acolhimento mais profundo das famílias multiespécies.

Vale ressaltar que, as Constelações Familiares segundo Bert Hellinger, são uma forma de abordagem terapêutica, que no Brasil é reconhecida pela Política de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) do Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde de (2006 e 2018)

Aqui temos a lista de referência de todos os Médicos Veterinários que compõe a Turma VII de SÃO PAULO (NÍVEL BÁSICO) formados em Visão Sistêmica e Constelações Familiares do Programa. Segue abaixo, a lista dos profissionais e aonde você poderá ter um atendimento sistêmico para tutores, empresas, professores e médicos veterinários, ou mesmo, solicitar palestras e rodas terapêuticas para alunos e professores nas instituições de ensino:

Alunos da TURMA VII 2022 – SÃO PAULO – NÍVEL BÁSICO
.

Ana Flávia Salles Cascão
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0118/22 Turma VII
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (11) 97690-4041

Andréa Dikerts Mutti
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0119/22 Turma VII
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (19) 99777-5979

Daiane Matos Ortiz
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0120/22 Turma VII
Estado de atuação: São Paulo e Paraná
Contato: (47) 8841-6217

Danielle Cassano Godoy
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Familiar
No. 0121/22 Turma VII
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (11) 96760-7243

Giulia Riqueza Fedes
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0122/22 Turma VII
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (19) 98208-2555

Juliana Sanches
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0123/22 Turma VII
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (19) 99451-7738

Lídia Siqueira Fontes Luz
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0124/22 Turma VII
Estado de atuação: Salvador
Contato: (71) 9181-6860

Lígia de Amorim Neves
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0125/22 Turma VII
Estado de atuação: Paraná
Contato: (44) 8808-3440

Lucine Guerra Janiak
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0126/22 Turma VII
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (19) 99227-6410

Nathália Cirilo Galvão
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0127/22 Turma VII
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (19) 99270-6980

Thaís Gomes Rocha
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0128/22 Turma VII
Estado de atuação: Espírito Santo
Contato: (16) 99992-2606

Vanessa Oliveira Lopes
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0129/22 Turma VII
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (11) 99161-9669

TURMA IV DE NÍVEL AVANÇADO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA SISTÊMICA NO BRASIL E NO EXTERIOR

O Brasil, é o primeiro país no mundo, a reconhecer a importância da Visão Sistêmica e das Constelações Familiares voltadas aos animais e para Medicina Veterinária. Muitas palestras sobre o tema, já foram incentivadas por alguns Conselhos Regionais de Medicina Veterinária e diversas Instituições de Ensino públicas e particulares de ensino. Estamos dando os primeiros passos nos estudos e na pesquisa deste vasto campo do desenvolvimento e no acolhimento mais profundo das famílias multiespécies.

Vale ressaltar que, as Constelações Familiares segundo Bert Hellinger, são uma forma de abordagem terapêutica, que no Brasil é reconhecida pela Política de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) do Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde de (2006 e 2018)

Aqui temos a lista de referência de todos os Médicos Veterinários que compõe a Turma IV de PORTO ALEGRE (NÍVEL AVANÇADO) formados em Visão Sistêmica e Constelações Familiares do Programa. Segue abaixo, a lista dos profissionais e aonde você poderá ter um atendimento sistêmico para tutores, empresas, professores e médicos veterinários, ou mesmo, solicitar palestras e rodas terapêuticas para alunos e professores nas instituições de ensino:

Alunos da TURMA IV 2022 – PORTO ALEGRE – NÍVEL AVANÇADO
.

Bianca Santos da Silva
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0110/22 Turma IV
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (53) 8101-4271

Caroline Neves Alves Tcatch
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0111/22 Turma IV
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (51) 9879-0201

Flavia I Russo Irala
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0112/22 Turma IV
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (53) 9121-9202

Hérica do Prado Pantz
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Familiar
No. 0113/22 Turma IV
Estado de atuação: Brasil (Agronegócio)
Contato: (67) 8156-7975

Isabel Duarte Schuch
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0114/22 Turma IV
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (53) 8129-1495

Luciana Scherch
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0115/22 Turma IV
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (51) 9956-8053

Lucila Malosá Sampaio
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0116/22 Turma IV
Estado de atuação: Rio de Janeiro
Contato: (21) 98854-7754

Paula Farina
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0117/22 Turma IV
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (54) 97052993

TURMA III – NÍVEL AVANÇADO DE SÃO PAULO DE MÉDICOS VETERINÁRIOS E AUXILIARES EM VISÃO SISTÊMICA

O Brasil, é o primeiro país no mundo, a reconhecer a importância da Visão Sistêmica e das Constelações Familiares voltadas aos animais e para Medicina Veterinária. Muitas palestras sobre o tema, já foram incentivadas por alguns Conselhos Regionais de Medicina Veterinária e diversas Instituições de Ensino públicas e particulares de ensino. Estamos dando os primeiros passos nos estudos e na pesquisa deste vasto campo do desenvolvimento e no acolhimento mais profundo das famílias multiespécies.

Vale ressaltar que, as Constelações Familiares segundo Bert Hellinger, são uma forma de abordagem terapêutica, que no Brasil é reconhecida pela Política de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) do Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde de (2006 e 2018)

Aqui temos a lista de referência de todos os Médicos Veterinários e Auxiliares Veteriários que compõe a Turma III de SÃO PAULO (NÍVEL AVANÇADO) formados em Visão Sistêmica e Constelações Familiares do Programa. Segue abaixo, a lista dos profissionais e aonde você poderá ter um atendimento sistêmico para tutores, empresas, professores e médicos veterinários, ou mesmo, solicitar palestras e rodas terapêuticas para alunos e professores nas instituições de ensino:

Alunos da TURMA III 2022 – SÃO PAULO – NÍVEL AVANÇADO
.

Bárbara Cristina Pudles de Oliveira
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0101/22 Turma III
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (11) 98315-8610

Bianca Hiromi Shimada
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0102/22 Turma III
Estado de atuação: São paulo
Contato: (11) 93310-1123

Cristiani Ignacio Pereira
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0103/22 Turma III
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (19) 98111-7356

Cristine Elizabeth Kirsten
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Familiar
No. 0104/22 Turma III
Estado de atuação: São Paulo e Paraná
Contato: (47) 9935-0022

Ednilse D`Amico Galego
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0105/22 Turma III
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (17) 98114-8181

Maira Rosa Paiva Corcos
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0106/22 Turma III
Estado de atuação: Rio de Janeiro
Contato: (21)99356-0619

Tatiane Tie Hato
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0107/22 Turma III
Estado de atuação: São Paulo e Fernando de Noronha/PE
Contato: (11) 99629-2066

Vivian Calderelli de Morais
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0108/22 Turma III
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (11) 98928-7578

Zaida Barbosa
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0109/22 Turma III
Estado de atuação: São Paulo
Contato: (19) 99795-8509

TURMA VI DE PORTO ALEGRE/RS – PROGRAMA DE FORMAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA SISTÊMICA NO BRASIL E NO EXTERIOR

O Brasil, é o primeiro país no mundo, a reconhecer a importância da Visão Sistêmica e das Constelações Familiares voltadas aos animais e para Medicina Veterinária. Muitas palestras sobre o tema, já foram incentivadas por alguns Conselhos Regionais de Medicina Veterinária e diversas Instituições de Ensino públicas e particulares de ensino. Estamos dando os primeiros passos nos estudos e na pesquisa deste vasto campo do desenvolvimento e no acolhimento mais profundo das famílias multiespécies.

Vale ressaltar que, as Constelações Familiares segundo Bert Hellinger, são uma forma de abordagem terapêutica, que no Brasil é reconhecida pela Política de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) do Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde de (2006 e 2018)

Aqui temos a lista de referência de todos os Médicos Veterinários que compõe a Turma VI de PORTO ALEGRE/RS formados em Visão Sistêmica e Constelações Familiares do Programa. Segue abaixo, a lista dos profissionais e aonde você poderá ter um atendimento sistêmico para tutores, empresas, professores e médicos veterinários, ou mesmo, solicitar palestras e rodas terapêuticas para alunos e professores nas instituições de ensino:

Alunos da TURMA VI 2022 – PORTO ALEGRE/RS
.

Ana Clara Lisboa
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0094/22 Turma VI
Estado de atuação: Santa Catarina
Contato: (51) 8409-9502

Cínthia de Abreu Castilho Diel
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0095/22 Turma VI
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (51) 84713181

Eliane Xavier Goepfert
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0096/22 Turma VI
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (51) 9987-7299

Fernanda Moreira Darley
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Familiar
No. 0097/22 Turma VI
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (53) 8105-9774

Juliana Aguiar
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0098/22 Turma VI
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (51) 9919-9774

Talita Scheneid Tejada
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0099/22 Turma VI
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (53) 9128-2340

Vanessa Sarturi Gheller
Formação em Visão Sistêmica e Constelação Veterinária
No. 0100/22 Turma VI
Estado de atuação: Rio Grande do Sul
Contato: (51) 9977-8806

Ser Mãe

Nunca desejei ser mãe de um humano. Acreditava que minhas necessidades maternais eram preenchidas pela minha cachorra Mel, aliás, na alegria ou na tristeza, lá estava ela suprindo minhas carências e me afastando do que eu mais tinha dificuldade que era os relacionamentos humanos.

Até que um dia, fiquei grávida com 35 anos sem planejar, sem a perspectiva de casar ou mudar de emprego ou trabalhar exclusivamente com o que amo que é a homeopatia e os Florais da Amazônia. Profissionalmente eu sabia o que queria mas estava me estruturando com certa dificuldade porque tinha mudado de área.

Nessa ocasião lembrei-me de uma passagem em um trabalho espiritual, no qual recebi a mensagem que seria mãe mas perderia minha Mel. Esse foi o dia que mais chorei na vida e olha que sou do time das choronas rs. Porém era uma lembrança que estava guardada em minha memória e que ressurgiu com muita força.

No ano em que engravidei (2013) fui para a Amazônia e surgiu uma possibilidade de realizar um sonho antigo de passar uma temporada na floresta, estudando os florais e trabalhando com os animais. Era tudo que eu queria para minha realização pessoal e para sinceramente fugir da cidade e ter um outro estilo de vida.

Então entrei em parafuso. Sem perspectiva de casar, de mudar de emprego, não realizar meu sonho amazônico e ainda perder minha filha canina!

A idéia de ter um filho nessas condições não me agradava nem um pouco. Não tive aquele ânimo de comprar e organizar as coisas do bebê, me cuidar, escolher um nome. Eu chorava de preocupação, vomitava muito, quase todos os dias até no parto. Porém sempre tive um senso de responsabilidade muito forte e sabia que precisava curar certos padrões para ser uma boa mãe.

O Francisco, nome escolhido pelo pai, nasceu no dia em que o Brasil perdeu de 7×1 para Alemanha em uma Casa de Parto. Confesso que nesse momento eu amava muito mais a minha cachorra do que aquele ser. A minha grande preocupação era chegar em casa e apresentar um bebê para a minha bebê véia.

A Mel que era cardiopata foi piorando até que com 40 dias de vida do Francisco, ela fez a passagem em meus braços, com 15 anos. Que dor! Sofri muito durante uma semana e depois consegui virar uma chavinha dentro de mim que me trouxe muita força de superação, entendimento e conforto. Essa transformação foi fruto do estudo da espiritualidade dos animais, dos florais que tomei durante anos, da minha busca pelo entendimento e expansão da minha consciência e da força divina que com certeza recebi.

A Mel me ajudou muito a ser uma mãe mais consciente hoje, a não errar tanto como errei no passado e entender que estou criando um ser para o mundo, sendo que minha função além de amar incondicionalmente, é ajudá-lo a cumprir o seu propósito de vida em seu sentido mais pleno.

Com o nascimento do Francisco fui trabalhar à noite para não colocá-lo o dia inteiro na creche e fui realizando os minhas consultas como especialista conforme era possível. Chegava do plantão, pegava-o na porta de casa e amamentava na creche mesmo (isso a partir de 1 ano e meio). Ele me acompanhou em vários atendimentos. Quando minha mãe não podia ficar com ele, levava-o comigo. A primeira vez estava com 5 meses e foi na cadeirinha de bebê. Agradeço muito as tutoras que me ajudam muito com a compreensão da situação e carinho com meu filho humano.

Contudo, foi depois do Francisco que tive algumas conquistas profissionais importantes. Consegui tirar meu título de especialista em homeopatia estudando nos pequenos intervalos disponíveis, iniciei meus estudos na nutrologia que foi um grande incremento na minha prática clínica e ainda esse ano finalizo meu processo de certificação para me tornar uma multiplicadora dos Florais da Amazônia. Além de conseguir montar meu consultório esse ano.

Portanto, todo aquele sentimento de que meu mundo tinha acabado foi superado e hoje com toda convicção posso afirmar com clareza na mente e no coração que o Francisco é a luz da minha vida, um grande presente de Deus!

Gratidão especial à Mel, ao Francisco e à minha mãe que sem a força e ajuda dela não contaria essa história.

Dra. Juliana Belé
Médica Veterinária Integrativa Homeopata
e mãe do Francisco 😍

Quando não há o que fazer

Morava na Amazônia, e estava num belo dia de folga do trabalho médico. Contudo, porém, todavia (risos), por volta das 15h de um domingo lindo, meu celular toca. Era meu comandante me acionando para uma emergência no quartel, dizendo ter recebido um filhote de bode enterrado vivo.

Pensei, meu Deus, coitado! O que eu vou fazer? No trajeto de cerca de 20 minutos até o quartel, fui revendo todos os meus conhecimentos de emergência, revendo minha farmácia, revendo os materiais que eu tinha disponíveis, relembrando a anatomia de um bode (que claro, raciocinei como se ele fosse um cachorro, pois nunca me detive na anatomia de um bode), revendo outras coisas que não me recordo agora.

Chegando no local, meus enfermeiros militares já estavam lá de prontidão, e com o pobrezinho do bebê bode, vítima de magia negra.

Ele era tão pequeno. Tentei me concentrar no que era possível fazer, porém, meu coração já estava me dizendo, não há o que fazer. A cena era de um filme de terror. O paciente estava vivo, de fato, mas estava com a cavidade abdominal aberta do tamanho de uma “mastectomia completa bilateral”. Pontos com linhas de pesca o alinhavavam como um saco de batatas. Quando eu o movimentei para mudar de local e aquece-lo, os pontos mal feitos, romperam sob meu colo, e de dentro dele caiu frutas inteiras, pedaços de amaldiçoados papéis, pedras, velas e outros objetos que não me lembro.

Nesta hora, eu sabia que nada mais poderia ser feito. Foi a primeira vez que vi um animal chorar com lágrimas e em silêncio. Enrolei-o num cobertor, coloquei ele sob meu colo, sentei-me no chão sem conseguir conter minhas lágrimas, e coloquei um soro aquecido em sua jugular

Fiz uma dose super alta de analgésicos e esperei a morte vir. Nesta época eu não era REIKIANA, mas minhas mãos foram intuitivamente para seu chacra frontal e cardíaco.

Me lembro que me comunicava telepaticamente com ele, e mentalizava somente as únicas palavras: “Desculpa, desculpa desculpa, pelos seres da minha espécie, que não sabem o que fazem. Desculpas, desculpas…”

Quando abri meus olhos, percebi que ele já havia partido. Por muito tempo fiquei com aquela cena forte em minha mente. Doía em meu coração sempre que eu lembrava. Muitas vezes me culpei, “e se, e se, e se…”. Aqueles questionamentos que sempre fazemos se tivéssemos adotado outra conduta.

Mas, esse bebê vitima de abuso, desrespeito e em tão tenra idade, me ensinou uma bela lição.

Muitas vezes, os animais preferem morrer perto de certas energias, perto de certos olhares, eles sentem isso. E hoje, mais madura, sei que não foi por acaso que ele foi parar em minhas mãos. Ali houve amor, houve aconchego, houve um olhar, houve uma cumplicidade. Aprendi também que isso é exercer a medicina quando não há mais nada a fazer…

Mesmo não sendo possível fazer nada, havia uma imensa energia de amor rodeando a partida dele para algum lugar no universo. Muitas vezes somos escolhidos apenas para estar ao lado, para não partirem sozinhos….

Muitas vezes eles nos escolhem apenas para morrer em paz.

E, nesses casos, indubitavelmente fica o ensinamento de que não somos nem “semi-deuses”, e só por esse notável detalhe, tão pouco devemos ser adorados…

Dra Carla Soares
Diretora do Portal Soul Vet
(Caso acontecido em 2010/11 na cidade de
Boa Vista – 200 km da Venezuela.
Eu era 1º Tenente Veterinária do 7º
 Batalhão de Infantaria de Selva.)

Florais da Amazônia: Uma ferramenta especial em minha jornada holística

Penso que a Medicina Veterinária Holística é um caminho sem volta. Conforme nos aprofundamos em seus estudos, mais compreensão temos de nós mesmos e de cada indivíduo que entra em nosso consultório.

Na Medicina Veterinária Convencional há uma dissociação de todas as  “peças” que compõem um animal (seja ele humano ou não humano). Enquanto nas terapias holísticas juntam-se todas essas partes que estão soltas tornando então mais claro o aspecto do que precisa ser curado e de como.

Eu obtive minha formação acadêmica em 2004 e desde sempre fui muito apaixonada pelos animais (não humanos). Trabalhei 4 anos com a medicina convencional até que cedi aos meus instintos e caí então no primeiro degrau da Medicina Veterinária holística que para mim se apresentou com a acupuntura. Em seguida, emendei minha caminhada pelos degraus da Homeopatia, e continuei a subir pela Alimentação Natural, Reiki,  Aromaterapia, Ozonioterapia e Florais da Amazônia.

E foi através dos Florais da Amazônia que realmente senti que minha caixa de ferramentas recebeu aquela chave de mandril especial que conseguiria resolver os desafios que mais me tirariam o sono na prática clínica. Foi com os Florais da Amazônia que me apaixonei então pelos animais humanos! Uma peça que vivia solta, desconexa, impedindo muitas vezes o bem estar integral do meu paciente não humano e que muitas vezes precisava tanto quanto aquele animal de um atendimento.

No meu tempo de faculdade era raro dizer que precisaríamos lidar com os tutores de nossos pacientes, e muito mais raro ainda era nos avisar que esse seria um desafio e tanto. Sugerir alternativas para como lidar com isso então?! Nem pensar, né!

Atualmente aplico a terapia floral da Amazônia em meus pacientes humanos e não humanos.

Os estudos com os Florais da Amazônia me ensinaram a ouvir mais os tutores, seus relatos sobre o seu animalzinho, seus relatos sobre sua vida, e assim fui me encantando por histórias que convergiam tanto com o sintoma que o paciente apresentava. Pude perceber ainda mais o quanto é profundo o universo de cada indivíduo, o quanto é rica a natureza humana e a natureza animal, o quanto se diferem mas também o quanto são necessárias e parecidas uma a outra.

Os Florais da Amazônia me ensinaram a calma no dia a dia, a pausa para ouvir o outro e a si. A pausa para observar as flores e toda sua essência. E nessa essência floral ver o reflexo de cada indivíduo.

Em tempos cada vez mais difíceis que enfrentamos, de ansiedade, de pânico, de depressão, de não ouvir, de subjugar, seria hipocrisia acreditar que sem ferramentas apropriadas estaríamos preparados para levar qualquer tipo de cura a outro ser. Assim também seria ingenuidade a nossa acreditar que nossos pets viveriam bem após sair de nosso consultório sendo que seus tutores e familiares não estão bem. Continuaríamos “alopatizando” porém com ferramentas mais naturais.

Nós, médicos veterinários, lidamos com os animais sim, humanos e não humanos. É óbvio que se estamos praticando essa medicina hoje, é porque amamos os animais não humanos. E precisa ser óbvio que precisamos aprender a amar sem distinção de espécie para que possamos nos curar e realizar uma medicina íntegra e eficaz em nossos consultórios.

Encontrei nos Florais da Amazônia o meu respiro diante de agendas e pessoas atribuladas, diante de todo o peso da responsabilidade de salvar vidas. E esse respiro foi uma essência Floral da Amazônia que me soprou dizendo que antes de olhar para o outro, preciso salvar a minha própria vida, todos os dias. Ser o melhor para levar o melhor.

Sem o despertar da Medicina Veterinária Holística eu não me sentia conectada. Não conseguia levar minha vida profissional lado a lado da pessoal, como indivíduos integrais deveriam fazer, e assim seria impossível aquele bem estar integral que tanto queremos para nós e para nosso paciente.

Acredito mais do que nunca, que nos dias de hoje todas as ferramentas que encontramos na imensa caixa da Medicina Veterinária Holística são a saída para que nossos pets deixem de adoecer por conta de tantos venenos químicos e emocionais do nosso mundo moderno e são também nosso escudo, para que a cada dia de trabalho possamos nos fortalecer como seres humanos, com capacidade de auto-cura, com capacidade de viver em harmonia com a nossa natureza e a natureza externa, de existir de maneira equilibrada e sustentável, envolvendo o outro indivíduo, independente de espécie, com o nosso olhar mais gentil.

Maristela Schoenherr Borelli
CRMV PR 5963
Médica veterinária Holística
(acupuntura, homeopatia, aromaterapia, reiki Om Rom e Usui, Florais da Amazônia, ozonioterapia, Alimentação Natural)
www.naturallevet.com.br
naturalle.veterinaria@gmail.com