O ORGULHO E A GRATIDÃO SOB A LUZ DA VISÃO SISTÊMICA

“Temo uma única coisa: não ser digno do meu tormento” – Dostoievsky

 

O orgulhoso não sabe honrar e agradecer o que passou por ele…o que foi não é visto e integrado, assim, não se agradece.

Mas, por trás do orgulhoso, está a autopiedade e a sensação interna de não merecimento. Esse autocompadecimento, que beira o vitimismo, o impede de ter real empatia com os demais, devido a uma postura de autocentramento.

Com isso, e nesta postura, ele espera ser salvo por alguém…

O orgulhoso é também alguém que não sabe receber, ele é um doador que se sente superior ao outro, sem assim, ficar em dívida. Ele doa para que os outros fiquem em dívida com ele.

Aqui as relações profundas se tornam impossíveis devido a ruptura do Equilíbrio entre o Dar e o Tomar. Não “TOMAR” em proporção do que se doa, desnivela e distancia as partes.

A soberba e a arrogância são igualmente traços dos tímidos, pois, eles sentem que tudo e todos olham para ele. O tímido é egocêntrico.

Tanto no vitimismo, quanto na incapacidade de receber e na timidez, encontramos um complexo de superioridade que são potencializados ainda com uma tendência ao isolamento e a trocas superficiais com outras pessoas, pois o aprofundamento “coloca-o em risco” de expor suas fragilidades NÃO PERFEITAS.

O perfeccionista também não aceita as falhas do outro, e em geral, ele (ser humano), segrega e exclui o imperfeito de tudo que o rodeia, para que esse não espelhe suas próprias imperfeições.

Nesta aresta de dor, este irá te deferir ataques ao seu ser, a sua profissão e a sua essência, pois, tentando desestabilizar o outro, a pessoa se sente maior.

Sob a ótica sistêmica o orgulhoso, por ainda não conseguir agradecer seus pais e a vida de forma genuína (na alma), ele vai sentir que precisa PERDOAR as pessoas e suas falhas. O perdão não existe sob a luz sistêmica, porque quando perdoamos o outro, novamente, nossa postura é de SUPERIORIDADE.

Orgulho e gratidão, portanto, caminham juntos num espaço de desenvolvimento próprio e compreensão de nosso aprimoramento pessoal.

“Agradecer é tomar o que me é dado, segurá-lo com respeito nas mãos. Acolhe-lo dentro de mim e em meu coração. Até percebo internamente: Agora é uma parte de mim”. Bert Hellinger

 

A postura sistêmica é assumir a sua parte, e não perdoar a do outro. Quando perdoo o outro, novamente, exterminamos a possibilidade de nos vermos como iguais. Agradecer é aprender (reter) o que foi vivido. Sentir muito é postura de autoresponsabilidade por tudo de bom e ruim que acontecer.

“Eu sinto muito” pela minha parte de responsabilidade, é a postura do adulto e de quem adota a Visão Sistêmica como TAO (como caminho)…A postura sistêmica é quando você ASSUME com humildade e amor suas falhas. E, não perdoando como um “Deus” a parte do outro…

Assim, um bom Constelador Sistêmico, especialmente na Medicina Veterinária, que é o meu foco de desenvolvimento laboral, vê com amor e sem julgamentos o outro. Ele aprende e tira algo de bom destas relações, porque em parte, aprende com a fragilidade do outro, reconhecendo-a dentro de si, e numa postura de aprendizado, humildade e gratidão genuína, ele se fortalece.

Texto Carla Soares – Co-Founder do Programa de Formação em Medicina Veterinária Sistêmica no Brasil e no Exterior Livro Consultado: Carl Roger (Tornar-se Pessoa)

http://www.veterinariasistemica.com.br