O CAMINHO SE FAZ CAMINHANDO: RESSIGNIFICANDO A MEDICINA VETERINÁRIA

Primeiramente, gostaria de agradecer o convite da Médica Veterinária Carla Soares, a quem eu tanto admiro, por me convidar a fazer um depoimento do meu processo de despertar dentro da Medicina Veterinária.

Aos demais, sou Médica Veterinária e venho aqui no portal Soul Vet contar sobre uma experiência que passei recentemente. Meu objetivo neste depoimento não é de forma alguma fazer alguma denúncia e sim falar para vocês sobre a importância da saúde mental na veterinária.

Me formei em 2018.2,  e logo fui aprovada na Residência Veterinária de Patologia Animal em outro estado, escolhi ir, por achar que estabilidade financeira e porque precisava sair de casa.

Aos poucos fui observando coisas com as quais eu não concordava, como a maneira de lidarem com eutanásia dos animais, como algo banal; e principalmente, a falta de interesse em unir a Patologia Animal com a Clínica Médica, como por exemplo, a velocidade em que se levava para entregar o diagnóstico de uma biopsia, a importância do diagnóstico para o animal, e a falta de instrução sobre que conduta o clínico poderia seguir a partir do nosso diagnóstico.

Afinal um setor deveria fortalecer o outro, pois o propósito é salvarmos a vida daqueles animais, não é mesmo?

Esses fatores foram me consumindo, e aos poucos refletindo na minha saúde mental e física. Inicialmente, comecei a ter episódios curtos e diários de crises de ansiedade: sensação de falta de ar, aceleração de batimentos cardíacos, suor frio, vista escurecida e crises de choro.

Alguém aí ja foi para o banheiro do trabalho para chorar? Provavelmente sim, se não, ja segurou esse choro.

Com o passar do tempo as crises de ansiedade passaram dos 30 segundos, para 3 horas, com tonturas, picos de pressão alta e episódios de vômito. Fora isso eu também tinha insônia, o que já é um problema há anos, mas piorou nesse período.

Eu levantava e me arrumava chorando para ir trabalhar.

E foi aí que eu despertei “o que é que eu estou fazendo? Meu corpo está tentando me parar de todas as formas, eu preciso escutar minha mente.”

Tomei coragem e falei para os meus chefes, eles já haviam reparado a minha falta de produtividade e o meu mal-estar. Então entrei com afastamento psicológico por 15 dias.

Eu já havia iniciado a terapia assim que me mudei de cidade, já que era uma mudança muito drástica para mim, então ela já vinha acompanhando esses meus episódios de ansiedade e frustração. Fui diagnosticada com Transtorno de Ansiedade Generalizada.

Durante esses 15 dias, eu despertei sobre quem eu realmente era, sobre a minha essência, alguém que não é só a Médica Veterinária, mas que ama dançar, ama desenhar, tocar violino, fazer yoga, mas eu estava vivendo somente para ser Veterinária e ainda não concordava com decisões do meu ambiente de trabalho.

Foi necessário entrar com medicações para os sintomas da ansiedade, para a insônia e até para episódios de depressão.

Assim que retornei desses 15 dias, eu já me sentia mais calma e decidida: não é isso que meu coração quer e que a minha essência espiritual busca. Então ao retornar, pedi desligamento da Residência, mas digo a vocês, foram 3 meses de estresse exacerbado para mim.

Muitas pessoas permanecem na Residência por pressão de todos ao redor, por questão financeira, somente para ter uma especialização, e não por paixão. Claro, que muitos veterinários realmente amam aquilo que fazem e dão seu sangue na Residência por algo que realmente acreditam.

Agora, fazem 15 dias que estou desligada da Residência e desempregada, tomei a decisão de me jogar no incerto, que medo isso dá não é? Mas ao mesmo tempo, que paz.

As coisas estão começando a fluir, uma delas foi reencontrar a Carla Soares, ser acolhida por ela, e decidir fazer o curso de Medicina Veterinária Sistêmica http://www.veterinariasistemica,com.br, que é compatível com este momento que estou (se você não viu sobre entra lá no youtube do reikI veterinário (http://www.reikiveterinario.com.br e veja o vídeo: Veterinários do Terceiro Milênio).

Com essa história eu tenho alguns pontos para vocês:

  1. Façam algo que vocês acreditam, que seja apaixonado(a), aquilo que realmente te instiga e te motiva
  2. Não esqueçam da sua essência, nós não somos somente nossa profissão, nós somos seres complexos com diversos propósitos e paixões.
  3. Escutem a si mesmos, o que seu corpo te fala? O que sua mente está te pedindo? Podemos recomeçar sempre.
  4. Por fim, cuidem da sua saúde mental e física, não tenham medo de buscar terapia e de recorrer à psiquiatria. Nosso cérebro também é um órgão não é? Que também pode adoecer e precisar de medicamentos para voltar a seu reequilíbrio funcional.
Espero ter contribuído de alguma forma com vocês, agora que percebi o quão vulnerável estamos na veterinária, um dos meus propósitos é acolher outros da profissão e de outras profissões se for possível.

Gratidão pela oportunidade e muita luz para o coração de vocês.

Com amor,

Dra. Maira Escobar
Médica Veterinária
@maiirabe
maira.esc@hotmail.com