As Algas Medicinais na Medicina Veterinária Medicina Tradicional Oriental

“Abençoada sejam as algas. Seres vitais ao planeta terra, provavelmente se as algas desaparecessem, as demais espécies sucumbiriam… incluindo nós.”
Dra. Carla Soares

 

Ao Reino Algae, pertencem todas as espécies de algas. Organismos fotossintéticos, e somente, por esta razão, já são seres essenciais a vida aeróbica do planeta terra. Possuem uma biologia aquática e semi-aquática, podendo ser seres unicelulares ou multicelulares, vivendo de forma isolada ou em colônias.

As algas são organismos altamente sensíveis a variação do meio ambiente, e portanto, são consideradas bioindicadoras da qualidade ambiental. Sua proliferação excessiva ou escassa, indicam poluição ambiental e altos níveis de metais pesados e nitrogênio no ambiente.

Vivem em lagos, poças, rios, estuários, mangues, mares e oceanos. E, nossas agressões a estes meios, influenciam diretamente na vida das algas, na de seres que dependem delas diretamente e de nós próprios.

A Medicina Tradicional Oriental (Chinesa, japonesa, tailandesa, indiana, coreana, e outras), conhecem de forma sine quo non os benefícios da utilização das algas na gastronomia/nutrição, na estética/dermatologia e sobretudo na medicina/saúde.

Aos poucos a utilização das algas vem chegando na cultura médica gastronômica ocidental, e mais e mais pessoas vêm tendo acesso a informação sobre seus benefícios, extrapolando-se assim, esses conhecimentos aos animais. É sabido que as algas possuem forte ação imunomoduladora, corroborando diretamente no funcionamento medular, glândular, nas células do sistema nervoso central, no músculo cardíaco e vasos sanguíneos. Possuem ação de limpeza de toxinas no organismo humano e animal, e tem-se atualmente associado inúmeras benfeitorias de seu uso em pacientes oncológicos e imunodeprimidos, por possuírem o CGF (fator de crescimento da clorella).

As algas ainda mantêm os níveis satisfatórios de hemácias e plaquetas na corrente sanguínea, e por terem um aspecto colóide podem aumentar os níveis de satisfação da fome, sendo assim, redutoras do peso.

São ricas em vitaminas A, B (em especial a B12), C, D e E, além de fósforo, cálcio, selênio, zinco, proteínas, zeaxantina e fibras.

Minha experiência com as algas na clínica de pequenos animais e em minha rotina pessoal, é especial, e tenho encontrado excelentes resultados comigo e com meus pacientes. Utilizo principalmente as algas Nori, Agar, Wakame, Espirulina e Clorella, porém existem inúmeras espécies como a Aphanizomenon Flos-Aquae, Kelp, Dulse, dentre outras. As que eu indico aos meus pacientes são as melhores? Mais ou menos (risos), mas são as mais fáceis de encontrar no mercado ocidental /farmácias/lojas.

Possuem diversas apresentações (pó, comprimidos, in natura, tabletes, gelatinas, etc) e podem ser manipuladas de acordo com a preferência dos tutores e facilidade de administração aos animais.

Uau! Podemos manipular algas em farmácias de manipulação? Yes...(risos). Muitas vezes eu prefiro, sobretudo quando os bichinhos são do tipo: “não me força nada não, se não eu faço xixi por 1 ano no seu tapete” (risos). Daí, telepaticamente (risos), já prevendo esse comportamento inadequado, prefiro manipular as algas de formas exóticas e com sabores irresistíveis para os animais.

Algumas marcas ainda produzem as algas nas versões orgânicas o que é maravilhoso.

A alga Nori (aquela mais conhecida da culinária japonesa aqui no Ocidente), gosto de prescreve-la in natura tanto para gatos como para cães. Um delicioso petisco que pode ser fornecido tirinhas, bolinhas ou picadinhas na alimentação. Por ser uma espécie de alga rica em proteínas biodisponíveis para as células intestinais, indico para pacientes com disbiose, infecções gastrointestinais extenuantes, pacientes subnutridos, covaslescentes e intoxicados. Pacientes oncológicos com altos níveis de perdas de massa muscular e muito imunodeprimidos, podem ser conduzidos a suplementações com algas em doses mais altas.

A alga Ágar é uma alga bem hidrocolóide e pode ser manipulada para diversas receitinhas na gastronomia e nutrologia animal, uma vez que, por seu aspecto gelatinoso podem ser agregadas a caldos, frutas e até medicamentos, sendo ótimas para pacientes displásicos, com artroses/artrites e dores crônicas.

A alga Espirulina, tenho prescrito tanto conduta clínica da medicina veterinária preventiva como na paliativa. É uma alga belíssima, de cor azul-esverdeada e de ecossistema lagunar. Rica em proteínas e fibras, é excelente para a saúde intestinal. Rica em clorofila, portanto tem uma função detox importante na clínica. Prescrevo, também, aos meus pacientes anêmicos, trombocitopênicos e hemorrágicos (de causa infecciosa ou traumática). Em fêmeas que fazem pré-natal acompanhada sistematicamente por um médico veterinário, a Espirulina é indicada face a presença de ácido fólico, que é essencial na formação neuronal dos filhotes.

Em pacientes geriátricos e em fase de crescimento, que possuem demanda suplementar de cálcio e fósforo, gosto também de prescrever a Espirulina.

Algumas raças com predisposições genéticas ao Acidente vascular Cerebral e hipercolesterolemia, como os Terries e (sobretudo os Schnauzeres), são cuidadosamente conduzidos a serem suplementados com algas.

A Clorella é uma alga incrível, menos protêica que a Nori, Agar e Espirulina, porém não menos importante. Gosto de prescreve-la em pacientes com comorbidades hepáticas e com alterações enzimáticas e pacientes com quadros secundários de comprometimento ocular. Esta espécie de alga, talvez seja a mais indicada para pacientes imunodeprimidos com causa viral (cinomose, FELV, FILV, Herpes e papilomatosos), devido a presença do CGF (Fator de Crescimento da Clorella).

Wakame e outras algas vermelhas-marrons são incríveis para a saúde cardiovascular devido a presença de magnésio e acido fólico que degradam a homocisteína, prejudicial a saúde dos vasos sanguíneos.

Pacientes com hipotireoidismo, estressados, disbióticos, e com envelhecimento precoce devem ser conduzidos a prescrições com algas. Todas as espécies são excelentes prebióticos.

As algas medicinais são de fato importantíssimas no uso clínico dos nossos pacientes animais, porém, não devem de forma alguma serem empregadas sem a prescrição de um Médico Veterinário, pois seu uso é totalmente contra-indicado em casos de Insuficiências Renais Agudas ou Crônicas, predisposições a estes quadros, muitas vezes silenciosos, e desta forma, somente um profissional poderá avaliar a possibilidade, uso, frequência e dose das maravilhosas algas aos nossos queridos pacientes animais.

                                                           Com muito amor vindo dos mares e lagos
Dra. Carla Soares – M.V. Holística
Diretora do portal Soul Vet.

2 respostas para “As Algas Medicinais na Medicina Veterinária Medicina Tradicional Oriental”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.